domingo, 5 de junho de 2011

Fantoche: História da Chapeuzinho vermelho e mp3

       Fizemos um teatro de fantoches contando a história da Chapeuzinho para as crianças.... Demos a história gravada na sacolinha de lembrancinha junto com 4 palitos de picolé com imagens da Chapeuzinho, Vovó, Lobo e caçador. As músicas da história foram cantadas pelos fantoches e acompanhadas no violão. Depois que acabamos o teatrinho que as crianças amaaaaaram, elas foram brincar com os bonecos.


       Segue o texto que fizemos adaptando a história do disquinho.


História: Chapeuzinho Vermelho

Narrador: Era uma vez uma menina chamada Chapeuzinho Vermelho, que tinha esse apelido pois desde pequenina gostava de usar chapéus e capas desta cor. Um dia, sua mãe pediu:
Mãe: - Chapeuzinho, vá a casa da vovozinha entregar esta cestinha! São doces, bolos e frutas...a vovó está doente!
Chapeuzinho: - Vou correndo, mamãezinha. A vovó vai ficar contente...
Mãe: - Mas, tome muito cuidado. Não converse com estranhos, não diga para onde vai, nem pare para nada. Vá pela estrada do rio, pois ouvi dizer que tem um lobo muito mau na estrada da floresta que tem devorado as criancinhas.
Chapeuzinho: - Não se assuste mamãezinha, seguirei o seu conselho.
Mãe: - Adeus minha filha. Vai Chapeuzinho Vermelho.
Chapeuzinho:
Pela estrada fora eu vou bem sozinha
Levar esses doces para a vovozinha
Ela mora longe e o caminho é deserto
E o lobo mau passeia aqui por perto
Mas à tardinha, ao sol poente
Junto à mamãezinha dormirei contente
Narrador: E assim foi. A menina foi juntando flores no cesto para a vovó, e se distraiu com as borboletas, saindo do caminho do rio. Cantando e juntando flores, Chapeuzinho Vermelho nem reparou como o lobo estava perto...
Lobo: - Ei, chapeuzinho vermelho, chapeuzinho venha cá.
Chapeuzinho: - Uai! Quem é? Não estou vendo! Quem é você? Onde está?
Lobo: - Não podes me ver porque sou um anjo da floresta, e estou aqui para proteger criancinhas como você. Onde você vai?
Chapeuzinho: - Vou levar esses docinhos a vovó que está doente.
Lobo: - Muito bem, boa menina a vovó vai ficar contente. Mas siga a estrada da Floresta.
Chapeuzinho: Da floresta, Deus me livre!! Mamãe disse que o lobo mau anda por lá devorando as criancinhas.
Lobo: Sua mamãe é medrosa, mas que tolice, ora essa! Há muito que o lobo mau já se mudou da floresta! Agora não há perigo e toda a mata está em festa! Há framboesas maduras pelos caminhos ao léu! Há pitangas mais vermelhas do que a cor do seu chapéu ! As borboletas azuis são pedacinhos do céu! 
Chapeuzinho: Tem certeza, seu Anjo? O lobo não anda mais pela floresta?
Lobo: Tenho certeza e desconfio que ele anda agora ai na estrada do rio.
Chapeuzinho: - Então vou pela floresta. Vou correndo... Adeus seu anjo.
Lobo: - Sigo agora pela estrada do rio, vou bem ligeiro, e mesmo que ela se apresse, chegarei muito primeiro, lá chegando papo a vó, que é bem velha, com certeza, e fico só esperando a neta para comer de sobremesa!
Narrador: E saiu correndo na frente cantando
Lobo:
Eu sou o lobo mau, lobo mau, lobo mau
Eu pego as criancinhas pra fazer mingau
Hoje estou contente, vai haver festança
Tenho um bom petisco para encher a minha pança
Lobo: Deve ser aquela casa junto a curva do caminho.
Narrador: Chegando à casa da vovó, devorou ela todinha. Colocou a sua roupa para esperar a menininha.
Chapeuzinho:
Pela estrada fora eu vou bem sozinha
Levar esses doces para a vovozinha
Ela mora longe e o caminho é deserto
E o lobo mau passeia aqui por perto
Mas à tardinha, ao sol poente
Junto à mamãezinha dormirei contente
Narrador: Chegou a Chapeuzinho e bateu na porta:
Chapeuzinho: - Vovó, vovóó. Sou eu a Chapeuzinho!
Vovó – Lobo: - Pode entrar, minha netinha.
Narrador: A menina pensou que a avó estivesse muito doente mesmo, para nem se levantar e abrir a porta. E falando com aquela voz tão estranha... Chegou até a cama e viu que a vovó estava mesmo muito doente. Se não fosse a touca e os óculos, ela pensaria que nem era a avó dela.
Chapeuzinho: - Eu trouxe estas flores e os docinhos que a mamãe preparou. Quero que fique boa logo e volte a ter sua voz de sempre.
Vovó – Lobo: - Obridada, minha netinha (disse o lobo, disfarçando a voz de trovão).
Narrador: Chapeuzinho não se conteve de curiosidade, e perguntou:
Chapeuzinho: - Vovozinha! Vovozinha, você não vai se zangar, mas para quê esses olhos tão grandes?
Vovó – Lobo: - É para te espiar
Chapeuzinho: - E esse nariz tão comprido, tão feio?
Vovó – Lobo: - É para te cheirar
Chapeuzinho: - E essa boca, vovozinha, tão grande?
Vovó – Lobo: - Queres saber? RÁ, RÁ... Queres mesmo? ENTÃO É PRA TE COMER!!!!!!
Chapeuzinho: Uai! Socorro! É o lobo!
Lobo: Não adianta, beleza, a vovó já está no papo, vai agora a sobremesa!
Narrador: A menina saiu correndo e gritando, com o lobo correndo bem atrás dela, pertinho, quase conseguindo pegar. Mas ela se escondeu no armário. Por sorte, um grupo de caçadores ia passando por ali bem na hora, e o barulho das trompas dos caçadores e latidos dos cães farejadores deixaram o lobo com medo. Invadiram a casa, agarraram o lobo.
Caçador: Este está liquidado! O tiro foi bem na testa! Nunca mais comerá criancinhas na floresta!
Chapeuzinho: - (Chorando... Aparece a Chapeuzinho) Acho que o lobo devorou minha vovozinha.
Caçador: - Não se desespere, pequenina. Abriremos a barriga do lobo, e a vovó querida, como foi comida há pouco, talvez ainda tenha vida. Traga os facões, vamos abrir com cuidado, pois, sinto alguma coisa mexendo aqui desse lado.
Narrador: Com um enorme facão, o caçador abriu a barriga do lobo de cima abaixo, e de lá tirou a vovó inteirinha, vivinha.
Chapeuzinho: - Viva! Vovó!
Narrador: E todos comemoraram a liberdade conquistada, até mesmo a vovó, que já não se lembrava mais de estar doente e caiu na farra.
Vovó: Ah! Chapeuzinho que susto! Tudo porque desprezaste o que disse a mamãezinha. Agora tens que voltar novamente pela estrada, a noite já vem chegando e vou ficar preocupada.
Caçador: Não se preocupe minha senhora, vamos para aquele lado levaremos a menina. Não precisa ter cuidado.
Vovó: Então, adeus, chapeuzinho. Não te esqueças querida a mamãezinha é o Anjo Bom que zela por tua vida.
Caçador: Nós somos os caçadores e nada nos amedronta
Damos mil tiros por dia, matamos feras sem conta
Varamos toda floresta, por mares e serranias
Caçamos onça pintada, pacas, tatus e cotias
Nós somos os caçadores e nada nos amedronta
Damos mil tiros por dia, matamos feras sem conta

Chapeuzinho:
O lobo mau já morreu, agora estamos em festa
Posso caçar borboletas
Posso brincar na floresta
Caçador:
Nós somos os caçadores e nada nos amedronta
Damos mil tiros por dia, matamos feras sem conta
Varamos toda floresta, por mares e serranias
Caçamos onça pintada, pacas, tatus e cotias

A história da Chapeuzinho Vermelho da coleção de histórias do disquinho com slides da época no youtube.... 

 

MP3: Se você quer o MP3 deixe um comentário com seu email que envio. Não consegui anexar no blog!

2 comentários:

  1. Oi Clara!
    Adorei a proposta da festa!
    Passo sempre por aqui mas não comentava porque passava "correndo"!!!
    Estava a espera da chegada do meu bebê!!!
    Agora já faz 1 mês e meio que meu Davi nasceu e a rotina já está normalizada!
    Calculo a tua ansiedade nesse finalzinho de gestação...a vontade de ter nos braços esse serzinho amado!
    Beijos e que Deus acalme seu coração para receber com muita tranquilidade esse presentinho lindo!
    :)

    ResponderExcluir
  2. Olá Clara, amei essas dicas para a festa com tema chapeuzinho vermelho , e gostaria de receber o mp3 da historinha em meu email. danielleglaustiane@hotmail.com
    Gosto muito do seu blog tanto que coloquei ele no meu. donacarochinha.blogspot.com
    Estou pensando em fazer a festa da minha filha que ira fazer dois aninhos em janeiro do px ano com este tema e amei as dicas.
    Parabens pelo blog.

    ResponderExcluir

Deixe seu recadinho. Compartilhe suas experiências...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...